Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Do Rio de Janeiro a Angra dos Reis por trilhos

Tempo de leitura: 7 minutos

Por Eduardo (‘Dado’)

Em uma época em que as estradas de rodagem eram poucas e precárias, a maioria dos transportes era feita por via marítima ou fluvial (onde era possível e onde o destino fosse próximo de um curso d’água) ou então por ferrovias. A partir da segunda metade do século XIX, várias ferrovias foram construídas reduzindo a poucas horas viagens e trajetos que poderiam levar dias e semanas. Grandes centros regionais à época puderam ser aproximados e alcançados com mais facilidade do que com o transporte por carruagens e mulas, como era de costume até esse período.

Ponte ferroviária da EF Sapucahy, sobre o Rio Parahyba. Data desconhecida.
Essa companhia foi uma das primeiras a tentar ligar o Rio de Janeiro a Angra dos Reis

(Fonte: Brasiliana Fotográfica)

O estado do Rio de Janeiro possuía, como hoje, polos regionais de grande influência ao seu entorno. Uma dessas regiões, das mais antigas do país, era a cidade de Angra dos Reis. Descoberta apenas 5 dias após a descoberta da Baía de Guanabara e do Rio de Janeiro, a região reúne muitas atrações naturais, além de ser importante zona econômica e de turismo, evidentemente.

Fragmento do Jornal “O Apóstolo” de 04 de abril de 1880

Ainda no século XIX houve o interesse de se ligar a Côrte (capital do Império, atual município do Rio de Janeiro) à Angra dos Reis, pelo litoral. A Companhia Estrada de Ferro Sapucahy (que possuía várias linhas e ramais em Minas Gerais) foi uma das que tentou construir a ferrovia, partindo da Enseada de Botafogo, nas proximidades da extinta Praia da Saudade, seguindo por bairros da zona sul carioca, como Leblon, Vidigal, São Conrado e Barra da Tijuca.

Mudança do ponto inicial da EF Sapucahy, em Botafogo.
Fonte: Jornal “O Brasil” de 21 de fevereiro de 1891

O projeto enfrentou bastante dificuldades. Uma delas foi o conflito entre a empresa responsável por esse projeto e companhias de Bonde, que pretendiam alcançar a localidade de Copacabana com seus trilhos mas o governo não permitia. Porque a ferrovia pra Angra poderia e os bondes não ? Assim o trajeto do projeto foi alterado e passou a seguir por Botafogo até o fim, seguindo pela Lagoa e daí por diante.

Vista aérea do bairro do Leblon, supostamente em 1930. A ferrovia desceria a encosta do Morro Dois Irmãos (à esquerda, atual avenida Niemeyer) e possivelmente seguiria onde hoje é a atual Rua Dias Ferreira, ainda um caminho carroçável na foto.
(Fonte: Brasiliana Fotográfica – Imagem ilustrativa, o projeto foi abandonado décadas antes dessa foto ser feita)

Várias frentes de trabalho foram abertas, leito ferroviário construído e pronto para assentar os trilhos em alguns trechos, obras de arte como os cortes no Morro Dois Irmãos e um suposto túnel na Barra da Tijuca… entretanto outro conflito de interesses abortou o projeto, envolvendo a Companhia de Melhoramentos da Lagoa Rodrigo de Freitas que realizava obras de saneamento na região. A partir daí o projeto foi abandonado, tendo a mais notável das obras sido convertida em via rodoviária posteriormente: tornou-se a Avenida Niemeyer, importante logradouro que liga os bairros do Leblon, Vidigal e São Conrado.

As obras na encosta do Morro Dois Irmãos. O que seria a ferrovia tornou-se a Avenida Niemeyer

Um outro vestígio deixado pelas obras da EF Sapucahy (Botafogo – Angra dos Reis) era um túnel próximo à saída do túnel da Joatinga, no bairro do Joá. Esse túnel foi por muito tempo habitado por um morador de rua, mas com a duplicação e ampliação do tráfego pela construção de outro acesso paralelo à Auto Estrada Lagoa-Barra (e demais túneis que a compõe) a suposta obra ferroviária foi lacrada com concreto.

Suposta boca de túnel ou parte da obra da EF Sapucahy, em 2007
Foto: Eduardo (‘Dado’)

Em 1878 a Estrada de Ferro Central do Brasil chegou à localidade de Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro. A intenção era alcançar Angra dos Reis, por isso o ramal que chegou a Santa Cruz chamava-se “Ramal de Angra”. Entretanto, apenas em 1914 foi inaugurada a sua estação final em Mangaratiba, não passando desse ponto. As obras para ampliação e prolongamento até Angra foram sendo executadas simultaneamente à construção do trecho até Mangaratiba, mas por motivos diversos, não foram concluídas além dessa cidade. Muitos vestígios dessas obras inacabadas podem ser vistas até hoje (todas as fotos e legendas abaixo são do amigo Waldir, postadas no nosso fórum de debates em 2013. Muito agradecido mais uma vez pelos registros!):

“Entrada de túnel obstruída com aterro por erosão, edificações, entulhos e vegetação. Parece ser o ponto final das obras. Situa-se no bairro Praia do Anil, atrás da fábrica de gelo”

“Auto relevo com o nome da E.F.C.B.” “Cabeceira de ponte em Garatucaia – Angra dos Reis”“Auto relevo com a data de construção.” “Vista das duas cabeceiras de ponte. (Garatucaia)” Corte em rocha, transformado em avenida. “Cabeceira de ponte na Praia do Camorim – Angra dos Reis” “Bueiro da E.F. Hoje, sob o leito da Avenida José Elias Rabha.”

Enfim, e apenas em 1928, os trilhos chegaram em Angra do Reis através da Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM), posteriormente Rede Mineira de Viação (RMV). A linha passa por Lídice, Rio Claro, Barra Mansa e cidades de Minas Gerais alcançando Goiandira-GO. O trecho descendo a serra em direção a Angra é dos mais belos do mundo, mas infelizmente vem dia a dia sendo depredado a passos largos, quando poderia ser aproveitado para o turismo e mesmo para o transporte de cargas, caso o porto da cidade estivesse ativo.

Ainda em relação a esse trecho da ferrovia uma imagem nos intriga: a publicação indica que esta obra seria um túnel ferroviário na “Serra das Três Orelhas”, a caminho de Angra. Alguém saberia a localização exata ?

A AF Trilhos do Rio, em suas pesquisas, sempre vai em busca de mais informações e de todos os segredos e mistérios para serem desvendados e elucidados. Muitos outros indícios e vestígios dessa obra ainda devem estar aparentes, e assim que for possível, iremos atrás.

 

 

 914 visualizações no total,  2 visualizações hoje

Comente via Facebook
Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *