A Guerra das Bitolas (3): decisões equivocadas

Tempo de leitura: 5 minutos

Por Mozart Rosa

Nos capítulos anteriores dessa série você soube como começou a Guerra das Bitolas e como a RFFSA, mais uma vez ela, foi influência nessa saga. Continue conosco, abaixo a continuação dos nossos artigos. Desejamos uma boa leitura!

Prédio-sede da RFFSA no Centro do Rio de Janeiro, ao lado da estação Dom Pedro II (Central do Brasil)
Foto: Renan F Souza

A megalomania que tomou conta do Brasil na década de 1960 encontrou terreno fértil na RFFSA. Basta ver no prédio sede da antiga RFFSA, hoje usado pela CBTU, o tamanho das salas dos diretores: algumas com mais de 250 m². Nem o Roberto Marinho, ex-presidente da TV Globo, tinha uma sala assim.

O enorme e importante pátio de Visconde de Itaboraí, passagem de trens da Leopoldina.
Pelo local passavam trens com destino ao Rio de Janeiro, região de Nova Friburgo, Norte-Fluminense e Espírito Santo, entre outros

Fonte: IBGE (imagem colorizada digitalmente)

Fora do prédio o descalabro era ainda maior: várias ferrovias foram extintas, linhas estas que reformadas teriam enorme potencial econômico como Rio x Petrópolis, Rio x Friburgo e Rio x Cabo Frio, a antiga Estrada de Ferro Maricá. Trechos que com máquinas mais modernas e mais velozes poderiam gerar receita, que ajudariam a cobrir o monstruoso rombo da RFFSA, foram extintas sem dó nem piedade e em uma velocidade inexplicável. Chegou-se ao cúmulo de se criar um setor para cuidar apenas da extinção de linhas.

Estação Porto das Caixas. à esquerda a linha que seguia para Nova Friburgo e região serrana (antiga EF Cantagalo), à esquerda a linha que seguia para o Norte-Fluiminense. Neste local atualmente não há trilhos nem para um lado nem para o outro.
Fonte: IBGE (imagem colorizada ditigalmente)

As cortesias foram fator não diríamos que decisivo, mas muito importante no desmonte do setor de transporte de passageiros. Isso ajudou bastante a fazer com que as operações em sua maioria fossem deficitárias. E esse foi outro argumento vitorioso usado no desmonte.

Falamos agora sobre uma informação pouco citada em fóruns ferroviários, mas citado com ênfase apenas em textos da AFTR. As locomotivas que puxavam composições de passageiros, tanto nas linhas da EFL como nas linhas da EFCB, eram as mesmas que puxavam cargas, ou seja, locomotivas com motores de mais de 1200 HP ou 1500 HP, fazendo o trabalho que deveria ser feito por locomotivas com motores de 500 HP. Alguém consegue mensurar o desperdício de diesel nessa operação?

Trem “Cacique” da EF Leopoldina
Foto: Leonardo Bloomfield

Um fato também pouco explorado e pouco comentado é que as ferrovias passaram a ser monopólio do estado, e com o tempo diversas empresas procuraram a RFFSA com o intuito de assumir a operação de várias linhas em vias de extinção e a resposta padrão era a mesma: “é um monopólio do estado”. Segundo vários profissionais da área essa foi a resposta dada quando alguns empresários, e posteriormente a CMRJ, quiseram operar a linha Niterói x Itaboraí. O mesmo teria acontecido na década de 1980, quando uma fábrica de cimento localizada em Cantagalo propôs reconstruir a ferrovia que ligava Cantagalo ao Rio de Janeiro passando por Nova Friburgo, ouvindo um sonoro NÃO. Ferrovia Era Monopólio Estatal. Portanto, caro leitor, antes de defender monopólios como os do Correios ou da Petrobrás, lembre-se dessa história.

Estação Visconde de Itaboraí, atualmente em ruínas
Foto: IBGE (colorizada digitalmente)

Sobre a linha de Niterói x Itaboraí, como já citado anteriormente, durante a construção da Ponte Rio Niterói um dos viadutos de acesso à ponte simplesmente bloqueou o acesso dessa linha ao porto de Niterói, acabando assim com as possibilidades de uso para exportação dessa linha. A rentabilidade de uma linha inteira foi destruída por estupidez.

Construção em Niterói das alças de acesso da Ponte Rio – Niterói. À direita, um pouco fora do enquadramento da foto encontra-se a estação General Dutra. A linha ferroviária cruzava toda a imagem à meia-altura, mas na foto tudo já estava destruído.
Arquivo pessoal Bruno Cantarini (via PUC)

Gostou? Curtiu ? Comente ! Compartilhe !
Agradecemos a leitura. Até a próxima !

Imagem destacada: Prédio da RFFSA – Renan F Souza

(A opinião constante deste artigo é de inteira responsabilidade do autor, não sendo, necessariamente, a posição e opinião da Associação)

 3,141 visualizações no total,  4 visualizações hoje

Comente via Facebook
Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo não pode ser copiado assim. Caso use o arquivo, por favor cite a fonte.