Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Projetos inadequados e suas aplicações equivocadas 2 – Pavuna x Arco Metropolitano

Tempo de leitura: 10 minutos

Por Mozart Rosa

 

Projetos inadequados e suas aplicações equivocadas – parte 2

No capítulo anterior vemos como algumas ideias e projetos podem ao mesmo tempo fracassar e prejudicar outros, tanto em relação ao prejuízo causado, quanto em intervenções futuras e semelhantes. Abaixo daremos mais um exemplo e no próximo artigo daremos uma versão mais adequada a esse mesmo exemplo abaixo:

  • Exemplo 3: Pavuna x Arco Metropolitano

A coisa é extensa, os equívocos são fartos e temos espalhados pelo Brasil vários exemplos disso onde, na ausência de um corpo técnico para o planejamento, os Governos contratam consultorias para desenvolver projetos. Infelizmente às vezes são contratados engenheiros por vezes equivocados com certas informações para tratar da implantação desses projetos. Gente que conheceu a Disney, mas não conhece Ouro Preto-MG (não é preconceito nem nada contra viagens, mas estamos falando da realidade local ou regional onde determinado projeto virá a ser implantado, por muitas vezes desconhecida pelos profissionais que vão trabalhar na região).

Estação ferroviária de Ouro Preto
Fonte: Meu Tour

Uma dessas consultorias, a AFD Francesa, elaborou recentemente para o Governo do Estado do Rio um projeto chamado Pavuna-Arco Metropolitano usando conceitos que funcionam muito bem na Europa, mas de eficácia duvidosa no Brasil. Esse projeto é baseado em uma linha férrea já existente que se inicia em Engenheiro Pedreira e segue cortando diversos municípios da Baixada, como Queimados, Nova Iguaçu, Mesquita e São João de Meriti, ao final se conectando a uma linha segregada, dentro da faixa de domínio do ramal de Belford Roxo. Essa linha é operada pela MRS logística.

Neste trecho da linha em Mesquita pode-se notar a linha operacional da MRS e o espaço livre que existe em paralelo, com a possibilidade de implantação de um serviço de transporte de passageiros
Foto: Google Street View em 2014

A intenção do projeto é construir, em paralelo a esse trecho, uma linha para instalação de um charmoso, e por motivos diversos provavelmente lento, VLT nos moldes europeus tendo como padrão os VLTs atualmente usados no Centro do Rio. Entretanto, como já mostramos, essas pessoas ainda não entenderam que subúrbio no Brasil e no Rio de Janeiro é diferente de subúrbio na França.

VLT/Bonde na linha T1 no trecho original de Saint Denis a Bobigny, bairros do subúrbio de Paris
Foto de Leandro Castro

Esse VLT tem por objetivo levar a população da região do bairro de Santa Rita e arredores para a Pavuna onde dali essa população faria baldeação para o Trem ou o Metrô tendo como destino o Centro do Rio de Janeiro. Seria um veículo funcionando com composições em velocidades médias de 15 a 25 km/h e com pelo menos 10 passagens de nível (PN) no percurso, e ainda com a possibilidade de esse VLT parar em algum sinal ou nas próprias PNs, como no Centro do Rio. E após este percurso o passageiro fará a baldeação e embarque no trem ou no Metrô na Pavuna.

Isso parece um pouco inviável frente a outros projetos, não ?

Visão “Antes e Depois” do projeto Pavuna x Arco Metropolitano
Fonte: Plano Diretor Urbano e de Mobilidade Urbana 2017

Quem elaborou o projeto possivelmente desconhece:

  • A história da Baixada Fluminense;
  • A realidade atual da Baixada Fluminense;
  • A legislação Brasileira;
  • A operação ferroviária.

 

Será que tantas estações assim atenderiam satisfatoriamente os passageiros desse trecho ?
Chegariam com rapidez e conforto até a próxima condução com destino à cidade do Rio de Janeiro ?
Fonte: Plano Diretor Urbano e de Mobilidade Urbana 2017

Essa ideia é aparentemente descabida, pois quem elaborou talvez desconheça a legislação brasileira e não levou em conta que a concessionária (MRS Logística), ao assinar com o efetivo dono dessa ferrovia que é o governo federal um contrato de concessão, assumiu além da linha também as faixas de domínio. Portanto querer implantar esse VLT na faixa de domínio da MRS Logística pode ser considerado ILEGAL. Será que esse argumento é suficiente? Isso foi levado em consideração ?

  • Entendendo o Histórico da Linha

Linha da EF Melhoramentos passando na região de Thomazinho na década de 1930
Fonte: Baixada Fluminense – Memória Fotográfica (INEPAC)

Construída no início do século essa linha serviu, e muito bem, como linha de transporte de passageiros e carga, sendo responsável pelo surgimento e/ou desenvolvimento de localidades como Rocha Sobrinho, Éden, Tomazinho entre outras. Posteriormente na década de 1980 foi criado um desvio em um ponto da linha em São João de Meriti onde ela se bifurca, uma linha continua seguindo para o Porto do Rio e a outra entra no TSG – Terminal São Geraldo, o primeiro terminal Rodoferroviário do Brasil. Entretanto, a partir de 1975 como já mostrado diversas vezes em nossos textos, o transporte de passageiros foi interrompido e a linha segregada apenas para cargas.

Porto Seco TMM São Geraldo em Rocha Sobrinho, Nova Iguaçu
Fonte: TMM

Abaixo texto da AFTR que cita o Coronel Carlos Aloisio Weber como o responsável por extinção de algumas operações de passageiros, sendo a realizada nesse trecho uma delas. Explica um pouco também o motivo da extinção desses serviços:

https://www.trilhosdorio.com.br/aftr_wp/o-motivo-do-fracasso-das-ferrovias-no-brasil-9-iii/

A população dessas localidades descende de pessoas que usaram essa ferrovia como meio de transporte para o centro do Rio, as localidades em volta da ferrovia foram criadas por pessoas que trabalhavam no centro do Rio usando a ferrovia para esse transporte, e hoje muitos de seus descendentes fazem esse mesmo deslocamento de ônibus.

A ferrovia passando por Thomazinho na década de 1930
Fonte: Baixada Fluminense – Memória Fotográfica (INEPAC)

Qual o sentido de se criar um VLT lento por motivos alheios, com parada final na Pavuna, para posteriormente as pessoas baldearem para o trem ou Metrô para a cidade? E com o detalhe de, ao se concretizar essa obra, ser ocupando a área de competência de outra empresa sem pedir autorização. Qual o custo disso? Principalmente das intervenções previstas no centro de São João de Meriti onde seria tudo refeito a um custo estratosférico, pois o antigo leito ferroviário já foi ocupado por construções e em parte remodelado e reurbanizado. Essa é uma informação importante tendo em vista o caixa atual do Estado do Rio de Janeiro que em tese seria o responsável pela obra.

À direita a estação Andrade Araújo, última estação do serviço de subúrbios da EF Melhoramentos/Linha Auxiliar da EFCB
Fonte: Baixada Fluminense – Memória Fotográfica (INEPAC)

Hoje a MRS logística é a dona da concessão de uso de essa linha a partir de contrato assinado com o governo federal e que inclui a faixa de domínio. Alguém os avisou sobre esse projeto? Parece que algumas pessoas  desconhecem a lei das concessões em vigor no brasil. Basta um Juiz de primeira instância para impedir ali qualquer obra sem a aquiescência da MRS Logística.

A ferrovia passando por Itinga, atual Éden
Fonte: Baixada Fluminense – Memória Fotográfica (INEPAC)

Com o passar dos anos a invasão da faixa de domínio por construções irregulares, bem como o aumento da população na região com consequente aumento do uso de veículos como ônibus, carros e caminhões usando as passagens de nível, todo esse aumento no volume de trafego prejudicou muito a operação ferroviária nessas localidades, tornando-a uma operação lenta e perigosa sendo comuns acidentes e atropelamentos, apesar de todo o cuidado tomado pela MRS Logística. Em alguns trechos, para evitar acidentes, o trem chega a trafegar a velocidade de 5 Km/h. Isso diminuiu o lucro e o volume de carga transportado pela concessionaria no trecho, além de inúmeros outros transtornos causados com essa lentidão.

Um dos vários acidentes ocasionados por imprudência ao atravessar uma PN na região de Nova Iguaçu
Foto: O Tempo

No próximo episódio a AFTR apresentará soluções alternativas para este trecho, elaboradas pelo nosso corpo técnico, sempre respeitando o lema:

: : Projetos tecnicamente perfeitos e economicamente viáveis : :

Antes de concluirmos, vamos deixar aqui algo claro para nossos leitores:

Somos admiradores do projeto do VLT existente no centro do Rio. Uma proposta muito bem feita, muito bem executada e hoje muito bem operada. O VLT existente no centro do Rio em tudo é inovador. Pode e deve ser copiado por outras cidades com as características do Centro do Rio. Petrópolis poderia ser um exemplo. Mas dai a querer copiar esse modelo transpondo-o para a ligação Santa Rita x São João de Meriti denota uma necessidade de aprofundamento em vários aspectos. São características e necessidades diferentes.

VLT cruzando a Praça Mauá em 2016
Foto: Mariordo (Mario Roberto Durán Ortiz)

E finalizando, para quem acha que o passado pode ser ignorado, o autor deste artigo recomenda a leitura do livro Ortodoxia de Chesterton, onde pode ser entendido que uma sociedade existe a partir do somatório de experiências advindas do passado, e o futuro depende do passado para existir. Felizmente quem pensa assim não é a maior parte de nossos leitores, pois a maioria são pessoas racionais e que se interessam em trocar e adquirir mais conhecimento e informações.

Precisamos conhecer e respeitar nosso passado – o passado é rico e é o resultado de acertos e erros de gerações – para entendermos o presente e desenharmos melhor o futuro. A visão revolucionária atual pretende ignorar o passado e criar algo do nada. As coisas feitas dessa forma poderão trazer resultados desastrosos. Desprezar o passado não é sinal de modernidade, é sinal de ignorância, com o perdão da palavra.

AFTR também é cultura.

Gostou? Curtiu ? Comente ! Compartilhe !
Agradecemos a leitura. Até a próxima !

(A opinião constante deste artigo é de inteira responsabilidade do autor, não sendo, necessariamente ou totalmente, a posição e opinião da Associação)

 2,505 visualizações no total,  8 visualizações hoje

Comente via Facebook
Compartilhe!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um Comentário

  1. Júlio
    Júlio 14/09/2020

    Pelo visto nenhum dos que comentam aqui a favor deste ramal moram perto da linha em si. Eu moro aonde seria próximo a estação José Mariano Passos (que por sinal seria muito mal localizada e difícil de ser construída pois o trecho pra construção teria que ser em curva). E digo que: não há condições de construir este ramal, tanto em termos topográficos, quanto em termos de segurança.

    Aonde fica a estação “Andrade de Araújo” (nome erroneamente colocado), fica entre duas favelas rivais e é um local de desova de corpos, além de não haver como duplicar a linha, e ocorrendo saques ao trem por vezes. Seria como construir uma segunda estação de Costa Barros em outro lugar. Além das proximidades da estação Jacutinga serem ocupadas irregularmente por casas, e houver favelas ali muito perigosas.

    O fim desse ramal em Santa Rita seria totalmente sem lógico, pois não atenderia as localidades de Jardim Marilice e Carlos Sampaio, porém, ambas as localidades ainda sofrem com a total insegurança.

    Vale também ressaltar que hoje, o Ramal de Belford Roxo mal consegue transportar seu público exclusivo, após tantas sabotagens com o mesmo ao longo de 22 anos de Supervia.

    Se é para retomar a infraestrutura ferroviária, vamos pensar no que pode ser melhorado nos ramais já existentes, como o caso do próprio Belford Roxo, e pensar numa ampliação de traçado do mesmo (aos moldes da antiga E. F. Rio D’Ouro, porém, de forma subterrânea)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo não pode ser copiado assim. Caso use o arquivo, por favor cite a fonte.